Muitas foram as pesquisas desenvolvidas ao longo de nossos três projetos temáticos. De algum modo, todas elas tem a imagem como foco e certamente todos os pesquisadores que deles participaram tem hoje um olhar mais sensível para o mundo visual. A maioria dos ensaios fotográficos aqui reunidos resulta de pesquisas desenvolvidas ao longo de nosso último temático: atividades do cotidiano dos Manoki e os espíritos que acompanham as caçadas deste povo (dois ensaios de André Lopes); lazer e aprendizagem de jovens com deficiência visual ou cegueira (Andrea Cavalheiro); a procissão Mamita Candelaria no Peru Andino (Aristoteles Barcelos Neto); a rememoração de bailes de antigamente em Campinas (fotos sob direção de Erica Giesbrecht); aspectos do universo da devoção em Juazeiro do Norte – CE (Ewelter Rocha); imagens da São Paulo que acreditamos conhecer (Gabriel Restiffe); a incrível mobilidade dos jogadores de rugbi tetraplégicos em suas cadeiras de rodas (Joon Ho Kim); o entusiasmo das mulheres Cinta Larga com o futebol (Nadja Marin); cenas da produção de um filme sobre funk em Cidade Tiradentes – SP (Sylvia Caiuby Novaes). Dos 14 ensaios apresentados, 4 deles foram realizados por pesquisadores de nossos temáticos, embora não necessariamente relacionados às pesquisas ora em curso. São eles: algumas brincadeiras do cotidiano das crianças Assurini (Alice Villela); a pose altiva dos Guarani (Ana Lucia Ferraz); aspectos da vida urbana na moderna Seul (Joon Ho Kim); a proliferação de objetos num santuário em Campeche – SC (Yara Schreiber Dines).

As fotos trazem a experiência do encontro dos pesquisadores com interlocutores de universos distintos do seu, ou ainda tentativas de se aproximar de um universo familiar a partir de um olhar distanciado. Como fazer da linguagem fotográfica o meio de expressão daquilo que os antropólogos tanto prezam - a etnografia? Nosso objetivo é a expressão sensível do conhecimento adquirido em campo, é a busca de uma linguagem que possa se aliar ao texto para expressar aquilo que nem sempre o verbo consegue.

Todos os ensaios fotográficos, com exceção do que foi dirigido por Erica Giesbrecht, foram realizados por antropólogos e não por fotógrafos profissionais. A fotografia é, nestes ensaios, o registro de um olhar numa perspectiva antropológica; o que está em jogo não é a representação do universo da pesquisa. São olhares que se cruzam: o do pesquisador e o dos sujeitos que ele escolheu como seus interlocutores; é um olhar que busca entender a cidade e seus habitantes, cidades que encantam e que com a câmera na mão descobrimos nem sempre conhecer. São nossos olhares sobre espaços e atividades que de algum modo nos fascinam, a busca de expressão de uma realidade vivenciada na pesquisa de campo, dos encontros e desencontros que vivenciamos como antropólogos.

 

Sylvia Caiuby Novaes
Novembro de 2014.

 

Coordenação da Exposição Fotográfica: Joon Ho Kim
Equipe: Gabriel Restiffe; Victor Eiji Issa; Mariana Vanzolini

ENSAIOS

 

[ A itinerância da vida Manoki ]
André Lopes

[ Caçando para espíritos, caçando com espíritos ]
André Lopes

[ Dois Silêncios ]
Ewelter de Siqueira e Rocha

[ Eles não são de vidro ]
Joon Ho Kim

[ Guarani Reko: Modos de Vida ]
Ana Lúcia Ferraz

[ Guerreiras Cinta Larga ]
Nadja Marin

[ Imagens em (des)construção ]
Gabriel Loureiro Magalhães Restiffe

[ Incursões fotográficas em Cidade Tiradentes num filme sobre funk ]
Sylvia Caiuby Novaes

[ Kunumi ]
Alice Martins Villela Pinto

[ Mamita Candelaria ]
Aristoteles Barcelos Neto

[ Santuário de Pedro M. Caetano: Imagem, bricolagem e religiosidade popular no Campeche (SC) ]
Yara Schreiber Dines

[ Seul: O banal sob um olhar nativo-estrangeiro ]
Joon Ho Kim

[ Textura e gesto ]
Andrea de Moraes Cavalheiro

[ Um baile para matar as saudades ]
Erica Giesbrecht

APOIO

 


Faculdade de Filosofia, Letras e
Ciências Humanas


Universidade de São Paulo


Fundação de Amparo à Pesquisa do
Estado de São Paulo